Seu navegador não suporta javascript!
Ministério Público do Estado de Mato Grosso
Página Inicial
 
Intranet
Acessar Intranet
MP na Mídia
22.09.17 09h33
MPE aponta vícios formais
21.09.17 10h11
TJ mantém condenação de ex-prefeito Walace Guimarães
20.09.17 08h58
MPE pede bloqueio de bens de 3 deputados
20.09.17 08h54
Justiça condena João Emanuel a 13 anos
20.09.17 08h52
Justiça condena João Emanuel a 13 anos

Mais MP
Intranet
Acessar
Tamanho A A
GAZETA

Justiça mantém prisão dos 5 réus

Sexta, 19 de maio de 2017, 10h25

DANTIELLE VENTURINI
DA REDAÇÃO

Justiça de Mato Grosso aceita a denúncia contra 5 acusados de envolvimento na chacina ocorrida na gleba de Taquaruçu do Norte, em Colniza (1.065 km a noroeste de Cuiabá), e mantém a prisão de todos. Apontados como executores e mandante, passam a responder por homicídio triplamente qualificado e constituição de milícia privada armada. Até o agora foram presos Pedro Ramos Nogueira e Paulo Neves Nogueira, tio e sobrinho.

Os outros três Valdelir João de Souza, Moisés Ferreira de Souza e Ronaldo Dalmoneck -, estão foragidos. Conforme denúncia do Ministério Público do Estado (MPE), Valdelir, conhecido como “Polaco Marceneiro”, proprietário de duas madeireiras em Rondônia, teria contratado o grupo de extermínio denominado “os encapuzados”, conhecidos na região como “guachebas”, ou matadores de aluguel, com a finalidade de praticar ameaças e homicídios.

O interesse do empresário nas terras era para a retirada de madeiras e também para exploração de ouro no local. Na decisão, o juiz de Colniza, Ricardo Frazon Menegucci, destaca que a prisão dos 5 réus é necessária devido à crueldade praticada e a periculosidade dos mesmos às testemunhas. “(...) se em tese ceifaram nove vidas para supostamente garantir a exploração de uma atividade econômica, é possível concluir que também o fariam com vistas a sair incólumes da presente instrução processual”, diz trecho.

Além disso, o magistrado destaca a “ausência estatal” na região o que fez com que os criminosos aproveitassem para a prática desses crimes. “É dos autos que os réus se organizaram, aproveitando-se da ausência estatal, para supostamente praticarem crimes com o intuito de garantir os seus interesses econômicos, chegando ao ponto de ceifarem nove vidas, ou seja, comportam-se de maneira diversa do que se espera de quem vive em sociedade”.

Em relação ao crime de constituição de milícia privada, o magistrado entendeu que os indícios de autoria e a prova da materialidade obtidas por meio dos depoimentos foram suficientes, “(...) em tese, o Sr. Valdelir, em conjunto com os demais réus, praticava violência contra as pessoas que estavam na região a fim de garantir a exploração de uma atividade econômica”. A chacina ocorreu no dia 19 de abril deste ano.

 
Compartilhe nas redes sociais
e-mail facebook twitter


Confira também:
22.09.17 09h33 » MPE aponta vícios formais
21.09.17 10h11 » TJ mantém condenação de ex-prefeito Walace Guimarães
20.09.17 08h58 » MPE pede bloqueio de bens de 3 deputados
20.09.17 08h54 » Justiça condena João Emanuel a 13 anos
20.09.17 08h52 » Justiça condena João Emanuel a 13 anos
19.09.17 10h28 » Aparte - Exigência
19.09.17 10h24 » Silval revela extorsão por parte de jornalista
18.09.17 10h43 » Agente do Gaeco vaza informações
15.09.17 09h31 » Nota - João Doria
15.09.17 09h29 » Cela é reformada para Arcanjo Ribeiro
15.09.17 09h28 » Medicamentos estão em falta na rede pública de saúde no Estado
14.09.17 09h43 » MP investiga se Consórcio está dando manutenção no VLT
14.09.17 09h42 » MP pede condenação de Permínio Pinto e mais seis pessoas
14.09.17 09h39 » Réu é condenado a 23 anos
13.09.17 10h23 » MPE pede até 500 anos de cadeia





youtube facebook facebook RSS







Galeria de Fotos
Mais Fotos
Entrevistas
O Ministério Público, a Rua e a Gente
Por Emanuel Filartiga Escalante Ribeiro Promotor de Justiça em São Félix do Araguaia
Mais Entrevistas
Buscar
Agenda e Eventos
V Curso sobre o Tribunal do Júri
Data: 06.10.2017 - 07.10.2017
Informações: (65) 3613-5174
Curso - Efetividade e Atuação Resolutiva do Ministério Público
Data: 19.10.2017 - 20.10.2017
Informações: (65) 3613-5144
Mais Agenda

Defender o regime democrático, a ordem jurídica e os interesses sociais e individuais indisponíveis, buscando a justiça social e o pleno exercício da cidadania.

» A Instituição » Teclas de Atalho » Corregedoria-Geral
» Acessibilidade » Projetos » Controle Interno
» Concursos » Departamentos » Gestão Ambiental - MP Sustentável
» Legislação » Licitações » Links
» Lotacionograma » Notícias » Órgãos Auxiliares
» Planejamento Estratégico » Portal Transparência » Procuradorias de Justiça Especializadas
» Publicações DOE » Todos Contra as Drogas » Terceiro Setor

Procuradoria Geral de Justiça

Rua Quatro, s/nº

Centro Politico e Administrativo - Cuiabá/MT

CEP: 78049-921

Fone: (65) 3613-5100


Sede das Promotorias de Justiça da Capital

Av. Desembargador Milton Figueiredo Ferreira Mendes, s/nº

Setor D - Centro Politico e Administrativo - Cuiabá/MT

CEP: 78049-928

Fone: (65) 3611-0600

Horário de atendimento ao público externo e protocolo: 08h às 18h

Ministério Público do Estado de Mato Grosso - Procuradoria Geral de Justiça