Seu navegador não suporta javascript!
Ministério Público do Estado de Mato Grosso
Página Inicial
 
Intranet
Acessar Intranet
MP na Mídia
20.10.17 10h09
Polícia prende assaltantes de residências
20.10.17 10h06
Valdir Piran se livra de tornozeleira
19.10.17 10h14
Em nota, Gaeco repudia as declarações do cabo
19.10.17 10h09
Juíza vai processar cabo da PM
19.10.17 10h04
Aniversário é lembrado com protesto e pedidos

Mais MP
Intranet
Acessar
Tamanho A A
DIÁRIO DE CUIABÁ

Documentos contradizem delação de Nadaf

Quarta, 11 de outubro de 2017, 10h34

PABLO RODRIGO
Da Reportagem

Documentos encaminhados ao Ministério Público Estadual (MPE) contradizem a delação do ex-secretário de Estado Pedro Nadaf à Procuradoria Geral da República (PGR) e homologada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux. Caso seja comprovado a inveracidade dos depoimentos, Nadaf poderá ter o seu acordo revisto pelo Ministério Público Federal (MPF).

Essa é a segunda delação de um ex-membro do governo Silval Barbosa (PMDB) que poderá ser questionada. A primeira é do ex-chefe de gabinete Silvio César Correa, que em gravação, revelou ao ex-secretário Allan Zanatta, possíveis ocultação de bens e de informações durante o seu termo de colaboração.

Em seu depoimento ao Ministério Público Federal, Nadaf teria relatado que a Cervejaria Petrópolis teria arcado com parte da propina dada ao ex-secretário Éder Moraes por causa dos incentivos para esmagamento de soja no Estado do Paraná, fato nunca ocorrido, nem quanto a propina, nem quanto ao incentivo fiscal.

Documento de posse da reportagem e datado do final do ano de 2014, último ano da gestão Silval e que foi assinado pelo então secretário-adjunto da Indústria, Comércio e Mineração, Valério Francisco Peres de Gouveia, recentemente falecido em acidente com sua moto na Bolívia, foi encaminhado ao Ministério Público, e que comprova que a Divisão de Cereais da Cervejaria Petrópolis nunca contou com benefícios fiscais para esmagamento de soja no Paraná.

Das três inscrições da Petrópolis, apenas a relativa a Divisão de Cerveja conta com incentivos fiscais, inclusive que apontaram um dos melhores desempenhos em termos de retorno para o Estado, pois a política de incentivos fiscais consiste no não recolhimento de ICMS para que os valores devidos sejam aplicados na ampliação da produção e na geração de emprego e renda.

No mesmo documento, o então adjunto Valério Gouveia relata a não existência do benefício fiscal para a soja e os resultados obtidos pela Divisão de Bebidas que desde 2010 foi contemplada com o referido benefício que vencerá ainda em 2020.

Segundo relato da Secretaria de Indústria, Comércio e Mineração, mesmo com os incentivos concedidos para produção de bebidas, a empresa Petrópolis, investiu próximo de R$ 200 milhões em suas instalações numa área de 411.544 metros quadrados e 25.500 metros quadrados de área construída. Além disso, a empresa gera 1.712 empregos diretos e 82 mil indiretos, segundo dados da Associação Brasileira da Indústria de Cerveja (CervBrasil).

Além do documento que se encontra em poder do Ministério Público de Mato Grosso, os depoimentos de Valério Gouveia e do próprio Pedro Nadaf na CPI da Renúncia e Sonegação Fiscal da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, o primeiro em 10 de junho e o segundo em 16 de julho respectivamente, comprovariam que nunca houve incentivo fiscal para a Divisão de Cereais da Petrópolis, mesmo existindo legalidade para tal segundo o Protocolo do Conselho Nacional de Política Fazendária Confaz 15/1974.

Gouveia e Nadaf relataram aos membros da CPI então compostas pelos deputados José Carlos do Pátio, hoje prefeito de Rondonópolis, Wilson Santos, hoje secretário de Estado de Cidades e Max Russi, hoje secretário Chefe da Casa Civil, não terem concedidos benefícios fiscais a Divisão de Cereais da Cervejaria Petrópolis e os benefícios concedidos a Divisão de Bebidas estarem regulares.

Como não se esmaga soja em Mato Grosso para produção de óleo comestível e produção de ração animal, a Divisão de Cereais da Petrópolis esmagaria soja no Paraná e recolheria para o Tesouro de Mato Grosso parte do ICMS decorrente desta operação, mas como não houve interesse este fato nunca ocorreu, mesmo sendo a Petrópolis fornecedora de ração animal para a Alemanha, Itália, França e para a Noruega, que é o maior produtor do mundo de salmão.

O farelo de soja de alta proteína para nutrição animal seria concebido a partir de soja orgânica não transgênica produzida em Mato Grosso, mas industrializada no Paraná. Silvio Corrêa também teria na gravação feita por Zanatta admitido que não teria cumprido parte do acordo com o ex-secretário de Fazenda, Eder Moraes. A nossa reportagem tentou entrar em contato com a defesa do ex-secretário. Porém, até fechamento desta edição não retornou as nossas ligações.


 
Compartilhe nas redes sociais
e-mail facebook twitter


Confira também:
20.10.17 10h09 » Polícia prende assaltantes de residências
20.10.17 10h06 » Valdir Piran se livra de tornozeleira
19.10.17 10h14 » Em nota, Gaeco repudia as declarações do cabo
19.10.17 10h09 » Juíza vai processar cabo da PM
19.10.17 10h04 » Aniversário é lembrado com protesto e pedidos
17.10.17 10h43 » Justiça bloqueia bens de Luciane Bezerra
17.10.17 10h40 » MP vai investigar irregularidades
11.10.17 10h37 » Selma nega afastar promotora de ação
11.10.17 10h34 » Documentos contradizem delação de Nadaf
10.10.17 13h18 » MPE denuncia Luciane por fraudes
10.10.17 13h15 » Justiça proíbe tráfego de caminhões
09.10.17 11h10 » MP veta Dutra só para o futebol
09.10.17 11h07 » MP vai analisar improbidade
09.10.17 11h01 » Membros do CV já respondem a 9 ações penais
06.10.17 10h37 » Órgãos analisam impacto da LOA





youtube facebook facebook RSS







Galeria de Fotos
Mais Fotos
Entrevistas
Entrevistas
Buscar
Agenda e Eventos
Curso - Efetividade e Atuação Resolutiva do Ministério Público
Data: 19.10.2017 - 20.10.2017
Informações: (65) 3613-5144
Mais Agenda

Defender o regime democrático, a ordem jurídica e os interesses sociais e individuais indisponíveis, buscando a justiça social e o pleno exercício da cidadania.

» A Instituição » Teclas de Atalho » Corregedoria-Geral
» Acessibilidade » Projetos » Controle Interno
» Concursos » Departamentos » Gestão Ambiental - MP Sustentável
» Legislação » Licitações » Links
» Lotacionograma » Notícias » Órgãos Auxiliares
» Planejamento Estratégico » Portal Transparência » Procuradorias de Justiça Especializadas
» Publicações DOE » Todos Contra as Drogas » Terceiro Setor

Procuradoria Geral de Justiça

Rua Quatro, s/nº

Centro Politico e Administrativo - Cuiabá/MT

CEP: 78049-921

Fone: (65) 3613-5100


Sede das Promotorias de Justiça da Capital

Av. Desembargador Milton Figueiredo Ferreira Mendes, s/nº

Setor D - Centro Politico e Administrativo - Cuiabá/MT

CEP: 78049-928

Fone: (65) 3611-0600

Horário de atendimento ao público externo e protocolo: 08h às 18h

Ministério Público do Estado de Mato Grosso - Procuradoria Geral de Justiça