Seu navegador não suporta javascript!
Ministério Público do Estado de Mato Grosso
Página Inicial
 
Intranet
Acessar Intranet
MP na Mídia
25.05.17 09h54
Indefinição de gestão traz problemas
24.05.17 12h59
MP investiga propina da JBS
24.05.17 12h54
Conflitos são denunciados à CIDH
24.05.17 12h50
Proteção é uma luta antiga
23.05.17 10h30
Idosos não têm para onde ir

Mais MP
Intranet
Acessar
Tamanho A A
COLNIZA

Justiça recebe denúncia e mantém prisão de cinco acusados de participação em chacina

Por ASSESSORIA DE IMPRENSA MPE/MT
Sexta, 19 de maio de 2017, 16h08

A Justiça acolheu denúncia por homicídio triplamente qualificado, protocolada pelo Ministério Público Estadual, contra cinco acusados de participar da chacina que resultou na morte de nove pessoas, há um mês (19 de abril), na localidade de Taquaruçu do Norte, no município de Colniza (1.114 km de Cuiabá). Valdelir João de Souza (conhecido como “Polaco Marceneiro” e apontado como o mandante), Pedro Ramos Nogueira (vulgo “Doca”), Paulo Neves Nogueira, Ronaldo Dalmoneck (o “Sula”) e Moisés Ferreira de Souza (conhecido como “Sargento Moisés” ou “Moisés da COE”) são apontados como executores e mandante.

Na decisão, o magistrado Ricardo Frazon Menegucci destaca que a prisão dos 5 réus é necessária devido à crueldade praticada e a periculosidade dos mesmos às testemunhas. “(...) se em tese ceifaram nove vidas para supostamente garantir a exploração de uma atividade econômica, é possível concluir que também o fariam com vistas a sair incólumes da presente instrução processual”, diz trecho.

Além disso, o magistrado destaca a “ausência estatal” na região o que fez com que os criminosos aproveitassem para a prática desses crimes. “É dos autos que os réus se organizaram, aproveitando-se da ausência estatal, para supostamente praticarem crimes com o intuito de garantir os seus interesses econômicos, chegando ao ponto de ceifarem nove vidas, ou seja, comportam-se de maneira diversa do que se espera de quem vive em sociedade”.

De acordo com o Ministério Publico, os cinco integram um grupo de extermínio denominado “os encapuzados”, conhecidos na região como “guachebas”, ou matadores de aluguel, contratados com a finalidade de praticar ameaças e homicídios. No dia da chacina, Pedro, Paulo, Ronaldo e Moisés, a mando de Valdelir, foram até a Linha 15, munidos de armas de fogo e arma branca, onde executaram Francisco Chaves da Silva, Edson Alves Antunes, Izaul Brito dos Santos, Alto Aparecido Carlini, Sebastião Ferreira de Souza, Fábio Rodrigues dos Santos, Samuel Antonio da Cunha, Ezequias Satos de Oliveira e Valmir Rangel do Nascimento.

O grupo de extermínio percorreu aproximadamente 9 km – praticamente toda a extensão da Linha 15 - onde foram matando, com requintes de crueldade, todos os que encontraram pelo caminho. “Os denunciados executaram as vítimas, em desígnios autônomos, de forma repentina e mediante surpresa, utilizando-se de crueldade, inclusive tortura, dificultando, de qualquer forma, a defesa dos ofendidos”, diz a denúncia.

A crueldade empregada pelo grupo de extermínio pode ser constada em cada vítima assassinada. A motivação dos crimes seria a extração de recursos naturais da área. Com a morte das vítimas, a intenção do mandante era “assustar” os moradores e expulsá-los das terras, para futuramente ocupá-las. “Apurou-se que “Polaco” é intermediado por “Doca” na passagem das madeiras extraídas de maneira ilegal das grilagens de terras feitas por bando armado atuante na região”, diz a denúncia. Até o momento, permanecem foragidos três acusados: Valdelir João de Souza, Moisés Ferreira de Souza e Ronaldo Dalmoneck.

 
Compartilhe nas redes sociais
e-mail facebook twitter


Confira também:
25.05.17 16h33 » MP pede bloqueio judicial de mais de R$ 9 milhões para custear Hospital Regional de Sorriso
25.05.17 16h19 » Instituições discutem cooperação para prevenção e combate à corrupção
25.05.17 10h50 » Projeto do MP usa teatro para falar com crianças sobre bullying e abuso sexual
25.05.17 10h25 » MPE obtém decisão que determina fechamento de indústria que produz agrotóxico
25.05.17 10h17 » MPE oferece denúncia contra sete pessoas por crimes contra a administração tributária
24.05.17 15h10 » Decisão Judicial revela que telefone institucional utilizado pelo Gaeco também foi interceptado
23.05.17 14h57 » CSMP decide sobre concurso de promoção ao cargo de procurador de Justiça
23.05.17 14h04 » MPE notifica prefeitura municipal para que regulamente estacionamento rotativo
23.05.17 10h47 » MPE conclui projeto nesta quarta-feira em escola no Jardim Florianópolis
19.05.17 17h45 » MP investe em tecnologia para melhorar nível de transparência da instituição
19.05.17 16h08 » Justiça recebe denúncia e mantém prisão de cinco acusados de participação em chacina
19.05.17 14h36 » MPE garante que interceptações telefônicas ilegais não passaram pelo Guardião do Gaeco e recomenda aos promotores 'pentefino' em processos oriundos do Núcleo de Inteligência da PM
18.05.17 15h39 » Livro sobre “Lei Anticorrupção Empresarial” é lançado com coautoria de Promotor de Justiça em MT
18.05.17 15h19 » MP participa de evento em defesa da criança e do Adolescente
17.05.17 14h50 » Procuradoria Especializada em Defesa da Criança e do Adolescente participa de evento na Praça Ipiranga











Galeria de Fotos
Mais Fotos
Entrevistas
Compliance como instrumento de combate à corrupção
Por Rogério Sanches Cunha, com coautoria do promotor de Justiça em MT, Renee do Ó Souza
Mais Entrevistas
Buscar
Agenda e Eventos
Inauguração - Nova sede das Promotorias de Justiça de Cláudia
Data: 02.06.2017
Informações: (66) 3546-2394
Mais Agenda

Defender o regime democrático, a ordem jurídica e os interesses sociais e individuais indisponíveis, buscando a justiça social e o pleno exercício da cidadania.

» A Instituição » Teclas de Atalho » Corregedoria-Geral
» Acessibilidade » Projetos » Controle Interno
» Concursos » Departamentos » Gestão Ambiental - MP Sustentável
» Legislação » Licitações » Links
» Lotacionograma » Notícias » Órgãos Auxiliares
» Planejamento Estratégico » Portal Transparência » Procuradorias de Justiça Especializadas
» Publicações DOE » Todos Contra as Drogas » Terceiro Setor

Procuradoria Geral de Justiça

Rua Quatro, s/nº

Centro Politico e Administrativo - Cuiabá/MT

CEP: 78049-921

Fone: (65) 3613-5100


Sede das Promotorias de Justiça da Capital

Av. Desembargador Milton Figueiredo Ferreira Mendes, s/nº

Setor D - Centro Politico e Administrativo - Cuiabá/MT

CEP: 78049-928

Fone: (65) 3611-0600

Horário de atendimento ao público externo e protocolo: 08h às 18h

Ministério Público do Estado de Mato Grosso - Procuradoria Geral de Justiça