Seu navegador não suporta javascript!
Ministério Público do Estado de Mato Grosso
Página Inicial
 
Intranet
Acessar Intranet
MP na Mídia
23.11.17 10h42
Operação apreende 6 aeronaves agrícolas
23.11.17 10h38
8 aeronaves são interditadas em MT
22.11.17 09h52
MP pede alterações na concessão de incentivos fiscais no Estado
31.10.17 13h17
MP investiga gastos com fardamentos
31.10.17 13h14
MP marca audiência para resolver problema de som alto

Mais MP
Intranet
Acessar
Tamanho A A
ALTO TAQUARI

MPE notifica Município e CONSEG a não utilizar verbas públicas para pagamento de aluguel a Delegado e Policiais

Por CRISTINA GOMES
Terça, 14 de novembro de 2017, 08h29

O Ministério Público do Estado de Mato Grosso notificou o Município e a Câmara Municipal de Alto Taquari para que revoguem a Lei municipal que autoriza o repasse mensal no valor de R$ 10.240 mil ao Conselho Comunitário de Segurança para pagamento de aluguel para Delegado de Polícia, policiais civis e militares. A revogação das leis deverão ocorrer no prazo de 60 dias, mas os pagamentos devem cessar imediatamente.

De acordo com o promotor de Justiça Marcelo Linhares Ferreira, há resolução do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso estabelecendo que “não é permitido aos municípios mato-grossenses a promoção do custeio direto de remunerações, benefícios ou outras utilidades a agentes policiais servidores dos Governos Estadual ou Federal ressalvada a hipótese de retribuição pecuniária por serviço em jornada extraordinária a ser paga ao militar estadual convocado no período de folga e que se apresente para realização de atividade de reforço no serviço policial conforme conveniência e necessidade da administração.

O promotor explica que existe hoje um convênio celebrado entre o Município e o CONSEG, porém o documento não faz menção que a destinação do dinheiro mensal ao Conselho seria utilizado para o pagamento do aluguel ou auxílios remuneratórios aos policiais, sendo mencionado apenas como obrigação aplicar os valores para prestar serviços que visem garantir a defesa dos direitos sociais de maneira igualitária e satisfatória a população. “Além de indevidamente aplicado ao pagamento de aluguel, constatou-se que o dinheiro é utilizado em beneficio de apenas alguns policiais em detrimento de outros, por critérios internos de cada instituição alheios à fiscalização do próprio CONSEG, do Ministério Público ou do Tribunal de Contas.

O MPE destaca que em julgamento anterior em outro município o Ministério Público de Contas entendeu que qualquer incentivo a servidor público que caracterize forma indireta de remuneração ou como forma de garantir a permanência deste em região fora de seu local de moradia é competência do Estado mediante lei específica que autorize o pagamento. Outro fator é que os policiais militares são servidores concursados que ao participar de concurso público já é sabido previamente qual será a sua lotação se fosse esse o caso em questão.

"Ressalte-se que há Lei Municipal que autoriza os pagamentos, apesar de não ter mencionada no convênio em vigência. De qualquer forma, tais pagamentos ainda assim são vedados pela Resolução 21/2013 do TCE/MT.", esclareceu o Promotor de Justiça.

Ele alerta que de forma mais expressa o Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso no julgamento do processo 2.164-2014 – exercício de 2014 relativos as contas do município de Tapurah, impôs multa aos gestores por repasses de valores ao CONSEG para pagamento de aluguel e servidores das polícias civil e militar.

Na notificação o MPE recomenda ao prefeito que caso constate que os valores transferidos pelo município de Alto Taquari ao CONSEG sejam destinados ao pagamento de aluguel ou policiais, ainda que indiretamente, suspenda qualquer transferência até a regularização. Já aos integrantes do CONSEG, o MPE orienta que em nenhuma circunstância realize transferências de valores para pagamento de alugueis a qualquer servidor público estadual e federal. Deverão os responsáveis pela força policial colher ciência de seus membros no prazo de 30 dias.

“Encerrado o prazo da representação e caso optem seus destinatários pelo não acolhimento da recomendação o MPE considerará como conduta dolosa o recebimento de valores posteriores e adotará medidas para responsabilização pessoal na seara criminal, cível e administrativa, sem prejuízos de representação ao Tribunal de Contas”, assegurou o promotor de Justiça.

 
Compartilhe nas redes sociais
e-mail facebook twitter


Confira também:
23.11.17 14h52 » MPE promove “II Mostra Anual” em Nova Mutum
23.11.17 08h48 » MPE oferece denúncia contra 99 pessoas por venda de carteira de habilitação em municípios de MT e GO
22.11.17 17h38 » Conselho Superior do Ministério Público divulga lista de inscritos
22.11.17 08h06 » Mais de 3 mil litros de agrotóxicos e 6 aeronaves são apreendidos no 2º dia de fiscalização em MT
21.11.17 16h52 » FESMP abre processo eleitoral para escolha de novo diretor-geral
21.11.17 16h46 » Promotores de Justiça e juízes de Direito definem propostas para agilizar a adoção em Mato Grosso
21.11.17 14h54 » Liminar concedida ao MPE determina indisponibilidade de bens de presidente do Sindicato Rural
21.11.17 09h42 » Ministério Público Estadual lança “Carta de Serviços” ao Cidadão
20.11.17 09h15 » MPE propõe ações contra 220 invasores de Áreas de Preservação Permanente em Cuiabá
17.11.17 10h57 » MPE doa veículos, móveis e equipamentos de informática para Conselhos Tutelares de Cuiabá
17.11.17 10h35 » Conselho Superior do Ministério Público divulga três novos editais
16.11.17 10h36 » MPE notifica município para que defina regras referentes à autuação de atos infracionais e de indisciplina cometidos por alunos
16.11.17 10h35 » MPE pede e Justiça indisponibiliza bens de fazendeiro por crime ambiental
14.11.17 15h48 » MPE, Vigilância Sanitária e parceiros realizam operação e interditam comunidade terapêutica
14.11.17 10h50 » MP/MT adere ao Sistema de Localização e Identificação de Desaparecidos





youtube facebook facebook RSS








Galeria de Fotos
Mais Fotos
Entrevistas
Entrevistas
Buscar
Agenda e Eventos
Encontro Estadual do Ministério Público e Movimentos Sociais
Data: 30.11.2017
Informações: (65) 3613-5282
Regularização Fundiária Urbana: quadro atual e perspectivas a partir da Lei 13.465/2017
Data: 30.11.2017 - 01.12.2017
Informações: (65) 3613-5285
I Mostra Estudantil de Teatro
Data: 05.12.2017
Informações: (66) 3401-5276
Mais Agenda

Defender o regime democrático, a ordem jurídica e os interesses sociais e individuais indisponíveis, buscando a justiça social e o pleno exercício da cidadania.

» A Instituição » Teclas de Atalho » Corregedoria-Geral
» Acessibilidade » Projetos » Controle Interno
» Concursos » Departamentos » Gestão Ambiental - MP Sustentável
» Legislação » Licitações » Links
» Lotacionograma » Notícias » Órgãos Auxiliares
» Planejamento Estratégico » Portal Transparência » Procuradorias de Justiça Especializadas
» Publicações DOE » Todos Contra as Drogas » Terceiro Setor

Procuradoria Geral de Justiça

Rua Quatro, s/nº

Centro Politico e Administrativo - Cuiabá/MT

CEP: 78049-921

Fone: (65) 3613-5100


Sede das Promotorias de Justiça da Capital

Av. Desembargador Milton Figueiredo Ferreira Mendes, s/nº

Setor D - Centro Politico e Administrativo - Cuiabá/MT

CEP: 78049-928

Fone: (65) 3611-0600

Horário de atendimento ao público externo e protocolo: 08h às 18h

Ministério Público do Estado de Mato Grosso - Procuradoria Geral de Justiça